Mercy Zidane: 2007

sábado, 29 de dezembro de 2007

O balanço

Eu disse há alguns posts que gostava de fazer balanços. Pois aí vamos nós:

Em termos de aulas da faculdade, o primeiro semestre foi um lixo (muitas aulas coxa), mas teve coisas boas (certos trabalhos); o segundo semestre foi bom (matérias interessantes e professores comprometidos), mas teve muito lixo (duas aulas cagaram o semestre).

Em se tratando de projetos, acho que as coisas que eu faço na facul chegaram a um ponto de convergência. O movimento estudantil, o Jornal do Ferradura e o Raiz Social foram três coisas que abriram minha cabeça para muita coisa e se interligam em diversos aspectos.

Entrei no movimento estudantil por meio do centro acadêmico, mas a greve das estaduais paulistas foi um momento em que eu aprendi muita coisa de política e despertei ainda mais meu interesse por essa área dentro do jornalismo (clique aqui e veja o que eu aprendi na greve).


O Jornal do Ferradura me proporcionou o contato com a favela; algo que todo o cidadão de classe média deveria ter para quebrar preconceitos e ver que a diferença é muito menor do que se pensa. Além disso, a elaboração do jornal, a distribuição, o fato de haver pessoas lendo o que você escreve é muito gratificante.

O Raiz Social me fez botar para fora tudo o que eu tinha estudado sobre rádio e construir (juntos com meus amigos) uma coisa nova em que acredito.

Muitos dizem que o terceiro ano de faculdade é o pior, é o ano das crises. Para mim, foi o ano da realização. Tenho orgulho de tudo o que faço e consigo enxergar relação entre todos esses elementos. Creio que a base está sólida.


Pode me chamar de romanticuzinho clichê, mas nada disso seria possível sem minha namorada Tati.


Enfim: saldo positivo
!

_____________________

Metalinguagem: enquanto escrevo este post estou baixando o filme Cabra Marcado Para Morrer, de Eduardo Coutinho. Dizem que é o divisor de águas do cinema não-ficcional brasileiro.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

Zona de Conforto

Quando se está na universidade, com a idade e com as idéias que eu e muito amigos temos, sempre vem um velho (com todo o respeito) e diz:

-É, é muito bonito você lutar hoje, falar todas essas coisas; mas depois quero ver! Você vai ter que ganhar dinheiro. A maioria fala essas coisas nessa época, depois vai correr atrás do dinheiro igual a todo mundo.

O gozado é que eles não torcem para você conseguir arranjar um emprego que faça bem para a sociedade, tenha a ver com os ideais de esquerda e que possa te sustentar. Parece que eles querem ver você se fudendo. É um tipo de agouro misturado com vontade de fazer igual. É um prazer sádico que tem uma única finalidade, a de dizer: “Eu avisei”.

Sem contar que muitos desses velhos nem tiveram idéias contrárias ao sistema ou foram simplesmente “revolucionários de butique”, que só se manifestavam quando todos os estudantes de sua época já estavam no embalo. Quando se formam e vão trabalhar em grandes coorporações, sem ter tentado algo alternativo, dizem: “não tem jeito, o negócio é ganhar dinheiro”.

Ou seja, preferem ficar na tal Zona de Conforto. Vão ganhando o dinheirinho sem fazer mal a ninguém, virando a cara para o mendigo, seguem sem contato nenhum com favelas, com pobres, compram um carrinho maior, etc.

Conheço muitos caras que sobrevivem do trabalho alternativo e têm liberdade de opinião (em se tratando de jornalismo).

Velhos, com todo o respeito, revolucionários do passado e reacionários do presente, deixem-me tentar fazer algo diferente.

___________________

Metalinguagem: mais uma foto meramente ilustrativa

domingo, 23 de dezembro de 2007

A história do que deveria ser o melhor documentário do mundo

No terceiro ano de faculdade, alunos do curso de jornalismo da FAAC têm aulas de "Telejornalismo II". Aulinhas de como ser William Bonner? Negativo. O nome da matéria deveria ser "Documentário".

Puta coisa louca fazer um documentário. Obviamente, o semestre começa cheio de expectativas. Depois de assistirmos a grandes produções no decorrer das aulas (como Justiça, Prisioneiro da Grade de Ferro, Ônibus 174, Edifício Master - esse é do Coutinho, clique na foto - e Nelson Freire), dividem-se os grupos e surge o tema: Burocracia. É, não é chato, mas também não é legal.

Porém, meus colegas de grupo mudam de tema (ainda bem) enquanto eu estava viajando (para o maravilhoso Congressos de Extensão,
diga-se de passagem). O novo tema: o assentamento do MST em Brasília Paulista, a 45 km de Bauru.

Fomos até lá umas 4 vezes no total. Na primeira, só conhecemos e trocamos idéia com o Márcio, um dos caras mais fodas que eu já conheci. Ele faz trabalho braçal na roça, estuda Geografia na Unesp e milita no MST (precisa de mais alguma coisa?) Nas visitas posteriores, conversamos com muita gente, um pessoal muito legal e humilde. Muitos deles estão ali porque perderam tudo, outros cresceram no assentamento e acreditam piamente nos ideias. Enfim: filmamos, conversamos, aprendemos.

Depois das chuvas (que nos impediam de ir à fazenda) e do término das filmagens, começamos a finalizar a produção. Pensamos nas cenas que iriam ser utilizadas, numa ordem meio lógica para a produção de um roteiro e fizemos umas montagens loucas na edição. Depois de 4 dias ininterruptos de trabalho, estava pronto o grande documentário
"Terra Pra Quem Quer Cultivar".

Às 12h do dia 19 de dezembro, depois noites sem dormir e muitas brigas com o Adobe Premiere, assistimos aos 23 minutos e 50 segundos de documentário.

Resultado: fomos
MEGALOMANÍACOS, como bem definiu a Tati.

Achamos que faríamos o melhor documentário do mundo, mas esquecemos que para isso é necessário ter um puta roteiro, teríamos que ter pensado melhor nas imagens na hora de filmar, escolhido melhor o enfoque, etc, etc, etc... a edição ficou boa, mas não quer dizer muita coisa.


Aprendemos muito, tanto conhecendo um assentamento do MST, quanto nos softwares de edição, mas ficou a frustração e a vontade de fazer outro mais elaborado, mas quando que vou ter tempo de fazer outro documentário na minha vida?
_________________________
Metalinguagem: faltam dois posts para este blog igualar a quantidade de posts de 2007 com a de 2006. Detalhe: em 2006, começamos a postar em julho.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Imagine se fosse com você...

Você acorda cedo, umas 5h da manhã para se arrumar e ir trabalhar. Come um pão, bebe um pingado, toma banho. Quando está prestes a sair de casa, um policial bate em sua porta:

-Isso aqui é um mandato de reintegração de posse. O senhor e sua família têm duas horas para tirarem todos os seus pertences do local.

Como se isso não bastasse, você olha para fora de sua casa e vê uma grande escavadeira, prontinha para derrubar seu lar. Morando do lado de uma grande rodovia, você não tem dúvidas, junta-se com vizinhos e pára a pista.

Nada mais lógico, já que a companhia que pediu reintegração de posse sequer sabe o que vai fazer com o terreno, além de prometer dar alojamentos em albergues e abrigos, o que é uma grande mentira. E mesmo se fosse verdade, você não gostaria de trocar sua casa por um albergue, gostaria?


"Mas eles invadiram um terreno alheio". Olha, eu não vejo problema nisso, mas suponhamos que eu visse: mesmo assim, você está lidando com seres humanos, porra! Não pode simplesmente despejar e derrubar suas casas em seguida, sem dar tempo para eles tirarem seus pertences ou saberem para onde irão.

Adivinhe como foi a cobertura da mídia? Tendenciosíssima, colocando a culpa nos malvados moradores que foram protestar em hora errada.

Acho que, às vezes, as pessoas deveriam se perguntar: "e se fosse comigo?"


A Abaixo tem o comentário da Natália, no programa Raiz Social (estou até me cansando de fazer jabá do programa no blog).
Ouça, vale a pena.



______________________
Metalinguagem: será que alguém ouve os arquivos sonoros que eu disponibilizo no blog? Os posts sonoros são os que tem menos comentários.

sábado, 8 de dezembro de 2007

Em homenagem ao Corinthians...

Já faz um tempinho que o Cortinhians foi rebaixado, mas eu não poderia deixar de prestar a minha homenagem ao time que mais anda me fazendo feliz ultimamente (já que sou palmeirense).

Abaixo está minha reportagem para o Jornal Esporte Clube de 2006 sobre o rebaixamento. Quem sabe eu não dou uma atualizada...


__________________________
Metalinguagem:
eu fiz essas reportagens especiais para o Jornal Esporte Clube ao longo de 2006 - a de cima, especificamente, não foi uma "reportagem", já que não entrevistei ninguém - teve apenas pesquisa; mas as demais eu gostei de fazer.

A velha questão do diploma

Depois de conversar com muitas pessoas e pensar um pouco, cheguei à conclusão de que o principal problema da profissão de jornalista é a consciência de categoria.

Veja bem, os jornalistas atuantes no mercado sofrem preconceito diariamente, já que muitos dizem que eles são "especialistas em generalidades" e pedem para "não escreverem abobrinhas" depois de entrevistas. Mas as fontes não percebem que o tempo é curto e que é preciso sintetizar as falas para que caibam no jornal.

Na vida acadêmica, a história é a mesma. "Jornalista não tem uma base teórica coesa", dizem os formados em História, Letras, Ciências Sociais, etc. É difícil conseguir um mestrado ou doutorado em outra área quando se fez graduação em Comunicação Social.

Quando vamos para o mercado, o piso é 800 reais. A imensa maioria faz frila e não recebe direitos trabalhista - acaba degradando o próprio trabalho e se degradando.

Um cara que faz jornalismo estuda os meios de comunicação, os modos de usá-los e de entendê-los. Muitos dizem que o diploma não é necessário para exercer a profissão, mas como é que fica a questão da degradação? Como a profissão será valorizada? Como as pessoas vão entender que é importante ter pelo menos uma base de estudos em comunicação se a obrigatoriedade do diploma não se efetivar?

É questão de ser corporativista para que a profissão se valorize. Depois, quando atingirmos um outro nível, podemos discutir se é necessário o diploma ou não.
________________________

Metalinguagem - exemplo de preconceito:
-Congresso de Extensão da Unesp: dos 17 trabalhos finalistas na área de comunicação, 10 eram da única faculdade de comunicação da Unesp, a FAAC (onde eu estudo). Quem ganhou? O primeiro lugar ficou com uma menina de Fonoaudiologia e o segundo com uma aluna de Letras.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

O fim do ano

Se tem uma coisa que eu gosto de fazer no final do ano são balanços.

Mas não vou fazer um balanço agora (deixo para um próximo post), apenas falarei como a gente precisa fazer decisões e planos para o próximo ano.
O mais foda foi ter um monte de coisas para decidir em pouco mais de uma semana. E essas coisas decididas em uma semana dão os rumos para todo o ano seguinte.

Neses últimos dias:
-decidi meu futuro na web-rádio (diretor executivo);
-descobri que vou namorar à distância (a Tati vai trabalhar em São Paulo);
-pensei (bem basicamente) o assunto do meu TCC (tem a ver com o Raiz Social e um conceito de jornalismo cidadão).

É... colocando em três pequenos tópicos não parece que mudou muita coisa, mas é praticamente uma revolução na minha vida.
______________________________________
Metalinguagem: como você pode reparar, a imagem de calendário é meramente ilustrativa; trata-se de uma estratégia para chamar a atenção do leitor - é que eu não tenho muita votade de ler posts que não possuem algum elemento diferente.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Hay estágio, soy contra

Muitos criticam o curso de jornalismo por ser um misto de técnica com teoria, dizendo que isso não é o suficiente para que o estudante adquira o embasamento teórico necessário para fazer um jornalismo emancipador.

É, acho que deveríamos ter mais teoria, mas a prática do curso não é inútil, é boa para criar novos formatos (jabá do Raiz Social novamente), mas não para repetí-los, como acontece de praxe.

Bom, mas esse post é sobre estágio, vamos lá. Como o curso já é dividido entre teoria e prática, não temos tanta teoria quanto um curso de história ou de ciência sociais. Quando você começa a fazer estágio, você tem um contato exagerado com as partes técnicas, com a velocidade da informação, etc... e a faculdade acaba ficando chata de se participar... as aulas parecem mais sonolentas... o legal é a agitação da redação!

Enfim, que o estágio é importante para conseguir um futuro emprego, não há dúvidas. Mas o foda é pensar que você tem que matar tudo o que você faz na faculdade (e que você nunca mais terá tempo e oportunidade de fazer), como estudar por fora, participar de grupos de estudo e fazer jornais ou programas que não têm um chefe-empresa por trás, apenas para ter contatos e não ficar desempregado.

Sem contar que é uma mão-de-obra barata que faz o mesmo trabalho de um jornalista contratado.

Estudemos!
____________________________________________
Metalinguagem: tenho amigos que fazem ou estão loucos para fazerem estágios - desculpem-me pelo post, mas é isso que eu penso. Obviamente, respeito a escolha de vocês e vocês também podem me achar um idiota por pensar assim.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Falando em preconceito lingüístico...

...aí está minha matéria sobre o famigerado tema, feita para o Raiz Social (que inclusive já está "na rede" - basta clicar no link da parte direita do blog):

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Preconceito Lingüístico

Muitas pessoas da minha sala já haviam lido um livro chamado "Preconceito Lingüístico: o que é, como se faz", de Marcos Bagno, pois foram obrigadas pela professora, no primeiro semestre da facul.

Como eu estava em uma turma separada, não li. Li anteontem para me prepar para fazer uma matéria do Raiz Social sobre o mesmo tema. Achei um puta livro dahora.

O cara destrói vários mitos e desce o cacete em conservadores que defendem o português culto sem sequer saber o que é o português culto.

Mas um dos ensinamentos mais importantes do livro foi a frase de Spinoza, muito usada no decorrer da obra:

"Tenho-me esforçado por não rir das ações humanas, por não deplorá-las nem odiá-las, mas por entendê-las"

Realmente é um esforço muito grande, já que costumamos fazer chacotas em vez de compreender os problemas. Enfim, leiam! O livro muda sua percepção sobre a língua portuguesa.
____________________________
Metalinguagem: mercyzidande publicando 4 posts em 4 dias seguidos com alternância de autores - um recorde. É foda resumir um livro em um post, mas espero que alguém tenha vontade de lê-lo.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Meu primeiro sapo

Era umas oito horas, comecinho da noite, nuvens negras no céu, chuva fina caindo, que ora apertava, ora diminuía, e eu na estrada, sozinho, rumo a Bauru. Era minha primeira viagem mais longa sem nenhuma companhia. Que, aliás, foi muito mais legal do que imaginei. Afinal, o cenário era bem do jeito que gosto: chuvinha, paisagem de fim da tarde linda, noite, vários carros pra ultrapassar, pista dupla, programa de esporte na rádio. Fiquei até pensando em outras viagens que quero fazer num futuro próximo.

Até que, em algum lugar entre Brotas e Jaú, surge diante das luzes do farol um pequeno sapo. A 180 km/h, com o raio de visão limitado por conta da noite, a única coisa que tive tempo pra pensar foi “Nossa, um sapo”.

Era um sapo. Agora virou asfalto. Acho que tive cerca de 0,8s entre o momento que confirmei a natureza daquela coisa que pulou no meio da estrada, e a minha roda passar impiedosamente sobre o bichinho. Eu, que não mato nem mosca, jamais teria a intenção de cometer a crueldade que cometi. Mas, infelizmente, aqueles 0,8s não foram suficientes pra eu completar o raciocínio “Nossa, um sapo”“Pobre animalzinho” – “Vou desviar”, pra depois virar o volante. Só houve tempo pra primeira parte.

A ficha só foi cair mesmo quando deu aquele tranco na roda, como se tivesse passado em um buraco. “Caraca, matei o sapo”. Era minha primeira vítima que fazia com meu carro.

Eu podia ter muito bem desviado, desacelarado, enfim, evitado aquela fatídica morte, se tivesse pensado rápido o suficiente para tal. Mas não deu. Agi (ou deixei de agir) por impulso. O resultado foi um sapo a menos no mundo. Paciência.

*****

PS1: Atropelei um sapo, beleza, mas esse cara aqui diz que atropelou uma capivara. Aí já é demais.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Metalinguagem

na foto, a melhor das metalinguagens: o delete deletado

Na última noite, eu deitei na cama para dormir e fiquei pensando em coisas aleatórias durante aqueles 5 minutos em que não se está nem dormindo nem acordado.

Não sei o motivo, mas pensei na brilhante (será mesmo?) idéia de dedicar um espaço em cada uma das minhas postagens sobre a própria postagem, já que uma das coisas sobre as quais eu mais gosto de escrever é sobre o processo da escrita, ou seja, a matelinguagem.

Portanto, a partir deste post, todas as minhas postagens seguintes terão um item no final do texto denominado "metalinguagem".

_______________________________________________

Metalinguagem: finalmente o Bulhões postou - fiquei pensando se eu postava sobre isso agora ou não, para "valorizar o post" dele, mas acabei postando, que se foda. Também estou pensando em outras coisas dahora para colocar no canto direito do blog, mas ainda não tive o insight.

domingo, 18 de novembro de 2007

Andrew Jennings e a FIFA



Enquanto os sonhos de alguns jornalistas são cobrir uma Copa do Mundo ou ser correspondente internacional de um canal de TV, o de outros é fazer aquela reportagem investigativa, em que figuras publicamente conhecidas são desmascaradas em esquemas nada idôneos. E essa parece ser a especialidade do jornalista inglês Andrew Jennings.

Numa rápida consulta no Wikipedia, vemos que Jennings possui um longo histórico dentro do jornalismo investigativo. Já lançou 5 livros, todos sobres casos de corrupção, sendo que 3 deles são destinados apenas às tramóias do Comitê Olímpico Internacional. Não é à toa que na sua ficha do site Transparency In Sport, aparece a seguinte definição: “Andrew Jennings has been chasing bad men around the world for three decades.”

Seu último livro intitulado Foul! The Secret World of FIFA: Bribes, Vote-rigging and Ticket Scandals (em português o livro recebe o nome de Cartão Vermelho), lançado em 2006, trata sobre um suposto esquema de subornos e favorecimentos, que envolve dirigentes do alto escalão da FIFA e a falida empresa ISL. Nomes como do “nosso” João Havelange, que ficou 24 anos à frente da organização máxima do futebol, e do atual presidente, o suíço Joseph Blatter, além de um influente dirigente de Trinidad & Tobago, um tal de Jack Warner, aparecem como expoentes dessa história nebulosa.


Além do livro, Jennings também produziu uma grande reportagem para o programa Panorama, da BBC. Abaixo segue a primeira das 5 partes desta reportagem, com legendas em português. Apesar do belo material jornalístico, é impossível não perceber o estrelismo de Jennings, que se faz protagonista da reportagem. Mas isso é questão de estilo.



******
PS1: ainda na onda de reportagens no You Tube, não deixem de conferir este vídeo (em inglês) sobre a inssureição popular em Mianmar. É em 2 partes, e igualmente imperdível.

domingo, 11 de novembro de 2007

O círculo vicioso da internet

Quando não é para resolver coisas relacionadas ao trabalho (enviar e-mails profissionais), eu costumo "bestar" na internet, como diz o meu amigo Goiaba.

Não sei de você, mas eu geralmente entro nos mesmos sites e blogs. Apesar de todo o potencial internético para ficar sabendo de coisas realmente interessantes ou, pelo menos, mais interessantes do que o que a mídia convencional transmite, eu acabo esquecendo ou tendo preguiça de pesquisar.

Aí vão os que eu sempre entro:
-alguns blogs linkados no MZ

Que eu me lembre, só entro (freqüentemente) em dois site que eu não costumava entrar:
-Blog do Sakamoto (descobri no repórter Brasil)

O pior é que eu já presenciei uma palestra muito boa no Intercom sobre jornalismo colaborativo, a mulher mostrou vários sites interessantes, eu os anoto e nunca entro.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

A Copa no Brasil

Ontem eu estava na famigerada república Maria Bonita quando começamos a discutir a Copa de 2014, cuja sede foi confirmada para o Brasil.

Quando eu era criança, o meu sonho era poder viver para assistir ou participar (como jogador, claro hehe) de uma Copa do Mundo de futebol no Brasil.

Mas agora a coisa muda de figura. Sou contra a Copa. Vamos aos argumentos:

-Em primeiro lugar, o cara que vai comandar a organização da Copa é Ricardo Teixeira. Como disse
Juca Kfouri, em seu podcast na CBN, um cara que não conseguiu se desvencilhar de diversas acusações graves na CPI do futebol. Sem contar que ele tem um cargo vitalício no comando da CBF.

-Dois: o Brasil não tem nenhum estádio em condições de sediar a Copa. Nenhum! É preciso, no mínimo, de uns 14 estádios para sediar uma competição desse porte. Imagina a farra que vai rolar com as obras. Sem contar os elefantes brancos que serão construídos em lugares em que não haverá público.

-Três: a CBF assume o compromisso, mas se não aparece investidor para cobrir a totalidade dos custos, sobra para quem? Para o Estado, assim como aconteceu com o Pan. O gasto foi cerca de 4 vezes mais do que o combinado incialmente.

Você, caro leitor, poderia dizer: mas e a estrutura que será mantida após o evento? Se a estrutura for a mesma que foi deixada para o Pan, é melhor nem ter. Falaram que iriam despoluir a Lagoa Rodrigo de Freitas e fariam uma nova linha de metrô que iria até o novo estádio do Engenhão. Os cariocas estão esperando até agora.

Resumindo: eu acho que a Copa no Brasil não vai compensar o gasto total feito com o evento. Creio que a infra-estrutura aproveitável também não trará grandes benefícios. Além disso, acontecerá uma farra com dinheiro público, assim como aconteceu com o Pan.

sexta-feira, 2 de novembro de 2007

Post Sonoro


_________________________
Links relacionados

-
O "videolog" da barba do Bulhões
-Novo blog do Gabriel Ruiz

sábado, 20 de outubro de 2007

Googlerepórter

Que a internet facilitou a vida dos jornalistas, não há dúvidas.

Mas também não há dúvidas de que muitos deles ficaram mais preguiçosos, principalmente com relação à realização de entrevistas.

A entrevista é um dos pontos-chave do jornalismo. É por meio dela que você tem a chance de se relacionar pessoalmente com a fonte, não apenas na conversa, mas acompanhando os trejeitos, o modo como o entrevistado se expressa gestualmente, o tom de voz, o olho no olho. Enfim, uma entrevista pessoal é a única maneira de se chegar ao famoso diálogo possível, na expressão de Cremilda Medina.

Tá. E daí? É que outro dia acompanhei dois colegas do curso de jornalismo discutindo as "entrevistas" que fizeram. O papo era mais ou menos assim:

-Cara, o meu entrevistado respondeu 3 páginas de e-mail!

-Putz, o meu só respondeu 3 linhas.

Bom, tudo bem. Cada um sabe o que faz. O problema surgiu quando fiz uma matéria para o jornal-laboratório Contexto. Era uma matéria sobre os partidos políticos no movimento estudantil. Fiz as entrevistas pessoalmente, pesquisei e redigi a matéria, só que em primeira pessoa, por achar que teria um texto melhor e mais honesto. Resultado: obviamente me podaram, mesmo sendo um jornal experimental.


Entrevista por e-mail pode, matéria em primeira pessoa não.

Puta que pariu!

sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Revolução estética

Como você pode reparar, o MZ está com um novo template.

Ele foi trocado por acaso. Eu queria atualizar a ferramenta do blogger para poder incrementar a página, afinal, eu não manjo nada de html e com a nova ferramenta leigos conseguem mexer no modelo do blog com certa facilidade.


Aí eu atualizei e o template sumiu. Fiz esse aí.


Acho que ele tem mais a ver com as merdas que o Bulhões fala (óóóóóó).

sábado, 22 de setembro de 2007

Programa Raiz Social

Quem é leitor assíduo deste blog deve se lembrar do meu post chamado "Papo de buteco e Rádio Português", datado de 05 de julho de 2007.

Nele, eu havia dito que achava legal o modelo do produção do jornalismo radiofônico em Portugal, onde há predominância de reportagens profundas em detrimento do mito da agilidade do rádio.Eu também disse que fiquei a fim de fazer um programa do tipo na Unesp Virtual.

Pois é, juntei uma galera, e fizemos o programa. Ele se chama Raiz Social.

A intenção, além de realizar reportagens profundas com muitas entrevistas, foi fazer um tipo de jornalismo que vem surgindo, mas é pouco estudado na academia: o jornalismo social.

Eu defino jornalismo social (bem grosseiramente) como um jornalismo voltado para as causas dos menos favorecidos dentro da sociedade.

Enfim, a tentativa é de aliar uma técnica radiojornalística pouco comum com um tipo de jornalismo pouco comum. Espero que dê certo!

Ouça o programa clicando aqui.

PS: Obrigado a todos os que participam do projeto: Tati, Bruno, Nati, Gabriel Ruiz, Gabriel Leite e Carol.

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

É difícil ter um blog

No final do semestre passado, um cara do site do PC do B veio à Unesp falar sobre jornalismo digital. O assunto blog foi inevitável.

Eis que ele fez a pergunta: quem aqui tem um blog? Várias pessoas levantaram a mão.

-É, mas quem atualiza o blog freqüentemente?

Poucos levantaram a mão. Eu fiquei meio sem saber se levantava ou não. Por via das dúvidas, fiz aquele famoso gesto de deixar a mão um pouco acima da cabeça, sendo impossível identificar se eu coçava meu cucuruto ou levantava minha mão com orgulho do blog. Porém, não foi tão impossível assim:

-Hahaha! Você atualiza mais ou menos!

Tive que concordar.

Cheguei a esse assunto por ter acabado de dar uma rápida passada em blogs de colegas e amigos e ver que muitos deles estão bem desatualizados. Dos blogs listados aqui do lado (e que não são pertencentes a blogueiros profissionais), acho que só o da Tati, o do Jaiminho e o do Gabriel têm atualizações no mês de setembro (e já estamos no dia 13).

Se fosse para chutar, eu diria que 60% dos blogs mundiais estão mortos. Quem tiver a estatística oficial, por favor, envie para mim.

quinta-feira, 6 de setembro de 2007

Rápidas impressões sobre o Intercom 2007


O Intercom deste ano foi em Santos. Gostei de Santos, mas nem tanto do Intercom.

Talvez por estar mais maduro, vi que tem muito lixo no maior congresso de comunicação do Brasil. Alguns participantes até se esqueceram de que o congresso é de comunicação, pois trabalhos como "A História do Rap em Tocantins" e "As Cores da Pedra Ametista", entre outras bizarrices foram apresentadas.

Não me incluo fora dessa, até porque apresentei um "trabalho científico" sobre um projeto de extensão. Estranho, não?

Posso contar nos dedos o número de apresentações de trabalho/palestras boas que assisti. Mesmo, assim, gostei de saber que web-rádios estão sendo bem discutidas no núlceo de pesquisa sobre mídia sonora.

Numa das poucas palestras boas, a professora falou sobre a produção científica, que está num ritmo industrial aceleradíssimo, sendo que na universidade é que o tempo deveria ser mais lento, para que possamos pensar mais e melhor. De que adianta haver milhares de pesquisas, se poucas são aproveitáveis
?

Também conheci um autor de contos estilo Hermes e Renato chamado Pedro Carbone. Ri para caralho com as interpretações do Dacax.

Hoje estou indo para Ilha Solteira, no festival de MPB. Pela terceira vez em três anos eu vou para Ilha Solteira. E desta vez vou ver Oswaldo Montenegro e Teatro Mágico! Que bosta!

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Marketing Social


Abaixo reproduzo texto sobre Laranja Mecânica, que escrevi pra disciplina de Ética. Se você ainda não viu o filme, não leia e vá à locadora mais próxima.



Marketing Social

Quando disse que havia alugado Laranja Mecânica, sem ter a menor idéia de que teria que escrever um texto sobre o filme duas semanas mais tarde, ouvi de meu irmão um “esse filme me dá aflição” e logo em seguida um “somehow I dont like to watch it” de meu padrasto dinamarquês. Mas ao fim de duas horas em frente à TV, pensei: “quanta frescura daqueles dois”.

Toda a violência do filme de Kubrick é bastante explícita, mas um explícito de 1971, bastante chinfrin se comparado com as dores na espinha de quem assiste Paixão de Cristo e Apocalypto, ambos de Mel Gibson. Faço o devido reconhecimento, no entanto: 36 anos atrás, Laranja Mecânica deve ter estremecido até os mais durões.

Se Alex começa o filme por cima da carne seca, gozando dos mimos da mãe, da sua vida de classe média, e, principalmente, da impunidade de seus crimes, que variam entre roubo de casas, espancamento de mendigos e estupros - tudo feito sob a segurança da ação em bando -, sua sorte muda logo após cometer um homicídio. Ele então é traído pelos amigos, preso, e submetido a experimentos com drogas (sob sua vontade, é bom lembrar) realizados pelo governo, que visam eliminar a maldade do criminoso. A finalidade dos experimentos era fazer Alex sentir terríveis náuseas quando deparado com desejos que poderiam levá-lo a praticar um crime. Bingo!

Daí pra frente, poderíamos dizer que a vida de Alex passa a ser puro sofrimento. Ele sofre rejeição da sua família, é espancado, torturado, física e psicologicamente, tudo em belas doses cavalares. Depois de chegar ao fundo do poço, quando tenta dar cabo de si próprio no intuito de pôr fim a intenso sofrimento psicológico, sua vida toma outra vez novo rumo, mas com um fim menos trágico. Um ministro do governo reconhece os erros da experiência ao qual Alex fora submetido, e lhe oferece uma parceria aparentemente vantajosa.

Se a palavra moral é definida pelo conjunto de costumes de uma sociedade, poderíamos dizer então que Alex, durante sua frase negra, fora o supra-sumo do ser amoral. Fazia apenas o básico para garantir sua sobrevivência dentro da sociedade, apresentando um comportamento minimamente aceitável apenas quando estava com a família ou com sua gang. Não reprimia quase nenhum de seus instintos, mesmo que isso significasse sofrimento a terceiros.

Talvez todos nós sejamos assim, mas em menor escala. Se entre nossos valores morais estão a honestidade e o altruísmo, valor este último bastante veiculado em projetos sociais de grandes dimensões como o Criança Esperança, seríamos então seres apenas aparentemente morais. Se nos defrontamos com um problema cuja solução não nos traga benefícios de imediato, passamos reto, olhando pra cima. Nos fazemos de bonzinhos apenas para garantir a nossa sobrevivência e bem-estar. Alguém já deu até nome para isso: Marketing Social.

domingo, 26 de agosto de 2007

Cansou?


Eu sei que é meio clichê falar mal do famigerado movimento "Cansei" da OAB-SP (assim como Angeli fez na Folha de SP), mas não dá para deixar passar em branco. Tenho que meter o pau.

Vamos por partes:

1. O "Cansei" é organizado por patrões. Ué, o patrões não têm o direito de se revoltarem? Direito eles têm, mas é, no mínimo, contraditório. A OAB, que organiza a campanha é a mesma entidade que criou a campanha "Fiscal não é juiz", que luta pela derrubada do veto do presidente Lula sobre a Emenda três. Essa emenda ataca fotemente os direitos trabalhistas.

2. As manifestaçõs do cansei não levam a nada. São milhares de pessoas que ficam fazendo passeatas nas ruas contra a violência, contra a corrupção, mas isso não é direcionado, eles não sabem a quem cobrar. O que a adianta fazer uma passeata contra assaltos e voltar para casa, sem conscientizar ninguém de onde é preciso cobrar e contra quem?

3. O "Cansei" se diz apartidário. Não me venham com essa de apartidarismo. Dizem que é um movimento apartidário, mas todo mundo lá dentro pertence a partidos conservadores.

4. Estranho a elite se cansar de violência, de burocracia, de aviões que caem, sendo que ela mesma que provoca esses problemas, pois é a exploração excessiva dos trabalhadores que causa isso. Querem mais segurança quando deveriam querer mais educação.

Portanto, se a elite se cansou, imaginem os pobres, a imensa maioria da população brasileira. Enquanto um reclama dos maus tratos nos vôos, os outros reclamam de não ter o que comer, enquanto um reclama da violência e dos criminosos, os outros são obrigados a roubar, pois não têm emprego e precisam colocar comida dentro de casa.

No dia em que os pobres se cansarem, não vai ter movimentozinho que segure.
_______________
www.tocansadinho.blogspot.com

sábado, 18 de agosto de 2007

Por que o Galvão não dançou a Dança do Siri?


No domingo último, os reportéres Vesgo e Sílvio, do Pânico na TV, realizaram mais uma inesquecível matéria. Os dois se lançaram na épica missão de convencer Galvão Bueno a fazer a Dança do Siri, depois que o locutor narrou a seleção masculina de basquete fazendo a dança, fato que deu início à campanha Dança Galvão. Ora, se até Faustão, Gugu Liberato e Sílvio Santos dançaram, porque nosso ilustre narrador não dançaria também?

Mas dessa vez a tramóia foi maior do que o normal. A dupla de repórteres foi até Londrina, onde vive Galvão, disposta a pegá-lo de calças curtas. Para tal, invadiram um evento pelos bastidores, onde descobriram outra profissão do locutor: jurado de concurso de modelos. Vejam só o vídeo:





Diferentemente de sua mulher, Desirée, que no dia anterior recebeu a dupla do Pânico com muito bom humor e muita simpatia, Galvão ficou visivelmente irritado com a proposta de fazer a Dança do Siri. Depois de se negar a pagar o mico, o locutor saiu de cena à la estrela de Hollywood, fugindo, sob a escolta de um segurança bruta-monte, em um carro preto em alta velocidade, para a tristeza de Vesgo e Sílvio.

Se o Galvão já ficou bravo com este primeiro assédio da dupla do Pânico, é bom ele aumentar seu estoque de calmantes. A Campanha Dança Galvão promete crescer cada vez mais, invadindo os campos de futebol, sua área de trabalho.

No meio da semana, a campanha foi parar no Campeonato Brasileiro. Vesgo e Sílvio estiveram no Maracanã para divulgá-la, distribuindo cartazes e pôsteres para torcedores, e incitando jogadores a comemorar os gols com a dança. De acordo com o Blog do Vesgo, a primeira aparição de um dos cartazes da campanha aconteceu no Fla-Flu de quinta-feira, no SPORTV.

Na vitória do Brasil sobre a Nova Zelândia na Copa do Mundo sub-17, Lulinha comemorou seu gol fazendo a dança, cuja imagem foi cortada no Globo Esporte. Como um garoto que se revolta com um apelido jocoso dado pelos colegas, a Globo parece ter mordido a chumbada, e tenta evitar com que a Dança do Siri chegue à sua programação - o que serve apenas para dar mais ânimo à campanha.

Até onde essa história vai, eu não sei. Mas o que parece mais incrível é que a tal dança, que já é uma praga nos links ao vivo de telejornais da Globo, dá sinais de estar se tornando uma espécie de manifestação anti-global. Basta ler a notícia “Fiéis fazem "dança do siri" para evitar imagens de casal da Renascer”, para perceber que aquilo que era apenas mais uma brincadeira para ridicularizar celebridades está ganhando nova conotação.

Imaginem só se no dia 5 de outubro, data que vence a concessão pública da Rede Globo e de outros canais, milhares de manifestantes estiverem cantando “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”, fazendo a Dança do Siri. Leonel Brizola remexeria na cova – ou, quem sabe, dançaria junto.




- Está sendo articulado um movimento nacional que buscará uma melhor fiscalização para as concessões públicas de radiodifusão (TV e Rádio). Manifestações populares estão sendo organizadas em várias capitais brasileiras para o dia 5 de outubro, data que vence a concessão dos principais canais de TV brasileiros. Para mais, informações leia aqui.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

A bola rola no velho continente


Pra mim não tem nada melhor que passar o domingão inteiro assistindo futebol europeu. Me acampo em frente a TV desde manhãzinha, geralmente por um jogo da Bundesliga, seguido por um da Premier League, para mais à noite acompanhar o Barça do Gaúcho ou o Real do Robinho no Campeonato Espanhol. Isso sem falar na rodada do Brasileirão às 4.

Nesse fim de semana vi 3 jogos: 1 do campeonato alemão, e dois do inglês, incluindo o do Liverpool. O que foi aquele gol da vitória do Gerard, no finalzinho?



O meu campeonato preferido, de longe, é o Inglês. Apesar de ser semelhante a um Campeonato Paulista, em que 4 times disputam o título e os demais fazem figuração, me encanto cada vez mais com seus estádios lotados, a inexistência de alambrado separando torcida e camp e os clubes mega tradicionais. Além dos bons jogadores, é claro, dos quais a maioria é estrangeira.

Pode ser um Blackburn x Everton da vida que o estádio vai estar cheio e o jogo certamente será emocionante. Vejam se é possível em algum outro lugar uma comemoração tão "comemorada" como essa do primeiro gol do Tevez na terra da rainha:



Fazia tempo já, mais de mês, desde a final da Copa dos Campeões, que não tinha outra alternativa (fora a final da Copa América) a não ser aturar as peladas da elite do futebol nacional (apesar do Tricolor já estar confeccionando a faixa do Penta), que a cada ano fica pior, pior, pior...

Mas não é pra menos. É como falou um amigo meu certa vez: "Hoje o cara dá um elástico em um jogo e na semana seguinte ele já ta na Ucrânia".

Antes (até a década de 70), ninguém saía. Na década de 80 e 90, só os bons mesmos saíam. Hoje qualquer zé ruela toma o caminho do aeroporto rumo a Japão, Catar, Coréia do Sul, Rússia.

Se há saída pra esse problema, ela está bem longe. Só mesmo com a economia brasileira se fortalecendo o suficiente a ponto dos clubes poderem bancar milionários salários. Uma medida paliativa seria promulgar leis que dificultem a saída precoce de um jogador. Por exemplo, uma que pensei: proibir a transferência para o exterior de jogadores com menos de 20 anos. Teríamos salvo o Pato, que com 17 (17!), já foi pro Milan. Mas provavelmente uma lei dessa esbarraria em alguma outra lei trabalhista.

Com esse panomorama nada animador do futebol brasileiro, já tem gente falando que no futuro não vai ter pai fanático que fará a molecada deixar de torcer pro Barcelona, Chelsea ou Milan no dos falidos clubes brasileiros. Será?




- Vou tentar ir ao Blog Camp, que rola em Sampa, dias 25 e 26 de agosto. Mas honrando a tradição : João Ricardo da Silva", só fiquei sabendo do evento na última hora, quando as inscrições já haviam acabado. Mesmo assim, mandei email pra ver se não me encaixam na parada

sábado, 11 de agosto de 2007

Você se lembra de quando a Vale era nossa?

Faço essa pergunta porque eu me lembro muito pouco. A Vale do Rio Doce foi privatizada em 1997, logo, eu tinha apenas 12 anos. Estava mais preocupado em não perder nenhum capítulo dos Cavaleiros do Zodíaco do que me interar sobre aspectos da soberania nacional.

Eu nem sabia que tinha havido conflitos na época do leilão da Vale. Alías, eu nem sonhava em saber que a Vale era uma empresa de mineração.

Mesmo agora que estou na faculdade, sei muito pouco sobre a companhia. Fiquei interado sobre "detalhes" pouco diivulgados na mídia por meio dos vídeos da campanha "A Vale É Nossa", realizada por várias entidades. Abaixo estão os links:

-Vídeo 1
-Vídeo 2
-Vídeo 3

No total, dá uns 20 minutos. Desculpem o trocadilho, mas vale a pena assistir.

Mais detalhes sobre a campanha pelo site: www.avaleenossa.org.br

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

É por isso que eu leio a Folha


Tá rolando uma campanha na blogosfera "anti-Estadão". Tudo porque as recentes propagandas do jornal cutucam os blogs, contestando sua confiabilidade.

Veja abaixo o vídeo que eles fizeram, que beleza:



Leia mais sobre o tema Estadão x Blogs nos posts do Pensar Enlouquece e no Brainstorm9

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

Apagão Online

Neste post aqui, meu companheiro de blog já denunciava a existência de uma temível opressão blogueira, que corria solta pelos corredores obscuros e tenebrosos da blogosfera. Mas era uma opressão, digamos, não tão opressora assim, vinda de um opressor nada intimidante, se comparado a dois casos recentes.

Em maio último, um misterioso problema técnico ocorrido nos servidores do Terra e no Gmail, que é administrado pelo Google, tirou do ar o Blog da Ocupação da USP e o email utilizado por seus administradores. Vale lembrar que o blog era mantido diretamente pelos ocupantes da reitoria uspiana e servia como contra-informação diante dos enormes disparates divulgados sob forma de informação pela grande mídia em relação à ocupação.

Hoje, o Blog da União dos Torcedores Brasileiros publica texto denunciando outro apagão online:

"Desde terça-feira, dia 07/08/07, não é mais possível acessar o blog “A Verdade do Pan 2007” nem “A Verdade da Copa 2014” coordenados por uma pessoa com o pseudônimo Diana. Sabemos que existe uma queixa de calúnia, injúria e difamação impetrada pelo presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, contra a “Diana”. Este processo está sendo investigado pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática – Cidade Nova – Rio de Janeiro" , leia mais sobre este post aqui.

A Verdade do Pan 2007, como próprio nome diz, fala (ou falava?) do Panamericano que não vimos na televisão (mas que lemos no jornal e na internet, justiça seja feita), com seus vultosos gastos e desgastos, o velho tráfico de influência por trás, e todas essas belezas que um dia levaram Charles de Gaulle a dizer "o Brasil não é um país sério". A Verdade da Copa 2014 eu não conhecia, mas deve seguir a mesma linha. Ambos os blogs estavam hospedados no Blogger (assim como este), que é administrado pelo Google.

Não nos esqueçamos também dos sumiços repentinos do vídeo em que o diretor global Boninho aparece jogando ovos em pedestres da sacada de um prédio. O You Tube é administrado pelo Google.

Agora, só me resta fazer a seguinte pergunta: seriam algumas empresas de internet coniventes a interesses excusos de grandes corporações e governos, a ponto de lançar mão da histórica censura autoritária por debaixo dos panos?

"Ah, João, larga a mão dessas teorias da conspiração, só devem ser problemas técnicos mesmo."




- Fazia tempo que não ficava até tarde me divertindo no You Tube. Ontem este e este vídeo sobre o Cleber Machado me fizeram rir pra dedéu. Apesar de tudo, eu te amo Google.

- Pra estudantes de jornalismo como eu, não deixem de adicionar em seus favoritos ou leitor de rss o blog Novo em Folha, produzido como parte do programa de treinamento em jornalismo diário da Folha de S. Paulo.

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Livraria? Prefiro a loja de jeans

Antes eu até que gostava, no começo de minha vida literária, lá pros 17 anos, mas hoje não gosto de jeito nenhum.


Ir à livraria significava pra mim todo um mundo a se descobrir, com livros de capas legais, sobre os mais variados temas. Tinha uma baita sede de conhecimento e vislumbrava uma fase nova de meus percalços (universidade), em que leria de tudo e saberia horrores. Sentia-me com o mesmo apetite de um esfomeado que acaba de chegar num restaurante por quilo ao meio-dia.

Hoje, a sensação é de enjôo de quem comeu maionese estragada. Às vezes até entro, dou uma caminhada, folheio alguma coisa, mas só. Raramente compro algo, salvo as ocasiões de presentear alguém. Afinal, pra que gastar grana com um livro se nas bibliotecas tem tantos e tantos que ainda quero ler e não li? Essa é a minha lógica.

Calejado pelos 21 anos, e, enfim, desiludido, vejo que a chance de eu ler 1% dos livros que me causam interesse nas livrarias é de algo em torno de 1%. Primeiro, por que a visão romântica de uma vida com tempo de sobra para fazer as mais diversas atividades se evaporou tão cedo entrei na faculdade e passei a morar sozinho. Segundo, que travo uma batalha cotidiana contra meu jeito enrolado de ser. Sou um ser naturalmente indisciplinado, e, pra encaixar algum tempo de leitura no seu dia, disciplina é tudo.

É por isso que acho livraria um dos lugares mais angustiantes de se visitar. Pra mim ela é o reflexo em espaço físico de um dos grandes dilemas pós-modernos daquelas pessoas inseridas na sociedade da informação: a escolha.

Tem algo mais angustiante que escolher entre ESPN, Discovery ou CNN, entre ouvir rádio, TV ou ler jornal, entre a biografia do Stalin, a do Mao, o livro da Cremilda Medina, o Rota 66 do Caco Barcelos, A Sangue Frio, 1984, O Poder do Mito, Como Ficar Milionário em 3 Dias... Argh!

Por isso, prefiro uma loja de jeans caríssimos. Pelo menos na loja de jeans caros, você tem a possibilidade, mesmo que remota, de juntar o caminhão de dinheiro necessário pra comprar as peças que você quer. Já em uma livraria, o capital de acesso aos seus desejos é outro e humanamente inalcançável: tempo.





Depois de mermão ter me mostrado este vídeo, de dois trouxas tirando racha, me lembrei deste aqui, que vi num post do Pensar Enlouquece

terça-feira, 7 de agosto de 2007

O que não mata vira churrasco

Você é daqueles que jogam fora uma bolachinha que caiu no azulejo da cozinha?

Então pra esse churrasco voce não tá convidado.

domingo, 29 de julho de 2007

Vamos rezar o pai nosso e cantar o hino nacional

"Os manifestantes contra o caos aéreo que saíram do Monumento às Bandeiras por volta das 9h20 chegaram aproximadamente às 11h50 deste domingo (29) ao local onde o avião da TAM explodiu no dia 17 de julho.

Informalmente, policiais militares estimaram que houve concentração entre 4 mil e 5 mil pessoas. Oficialmente, porém, a Polícia Militar não estimou o número de participantes. Ao chegar ao local, os manifestantes rezaram o "Pai Nosso", fizeram dois minutos de silêncio, aplaudiram e cantaram o Hino Nacional. "


É claro que um acidente de avião em que morre todo mundo é coisa tristíssima. Explosão, destruição, desencarnação em massa, musiquinha do plantão da Globo, tudo de uma vez só. O que mais consterna é a penúria dos familiares das vítimas. Não me sai da cabeça a cena de uma mãe que, após receber a notícia de que no fatídico vôo estavam suas filhas, desabou em prantos.

Também não me sai da cabeça o William Waack, com rapidez de dar inveja a Sherlock Holmes, concluindo a investigação sobre o acidente, cerca de 5 horas depois da tragédia. “A crise aérea provoca sua primeira tragédia”. Ah, claro, o acidente da TAM foi provocado pela operação padrão dos controladores de vôo. Investigar caixa-preta pra quê?

É nesse contexto - entre a amargura da perda de amigos e familiares, e a malhação-de-judas orquestrada pela grande mídia ao governo federal - que hoje manifestantes foram às ruas protestar contra o caos aéreo, gritar “Fora Lula” e homenagear os mortos no acidente da TAM.

Não sou contra a manifestação, muitíssimo pelo contrário. Se fosse o meu pai no vôo ou até mesmo o Suzano, eu também teria ido. Sou totalmente a favor de mobilização sociais que protestem contra falhas no sistema, e contra (falta de) medidas de governantes.

Como não poderia deixar de ser, a grande mídia estava lá. Se desde agora tarde, sites dos Globos, Folhas e Uols da vida já bombam com notícias sobre a manifestação, imagino a repercussão no Fantástico e Jornal Nacional.

Pois bem.

Li ontem, na Caros Amigos de Junho, uma baita de uma reportagem, assinada por João de Barros, sobre a ocupação de um terreno de propriedade privada, em Itapecerica da Serra, região da Grande São Paulo. Organizada pelo Movimento dos Sem-Teto, a ocupação durou 2 meses, de Março a Maio. No terreno ocupado (ou invadido, como queiram), foram erguidos centenas de barracos.

Não foi uma ocupação qualquer. Segundo a matéria, em seu auge, a ocupação abrigou 10 mil pessoas, reuniu 5 mil manifestantes em protesto rumo à sede do Governo do Estado, e, no fim, terminou na operação de reintegração de posse feita por 700 policiais.

Eram pessoas que não têm onde morar (imagina o que não passam nessa época de frio paulistano) se mobilizando.

“Caralho, Suzano, você ficou sabendo dessa ocupação?”, perguntei para o meu companheiro de blog, enquanto lia a matéria. “A parada foi grande e durou bastante, e só agora to sabendo”. E, logo eu, um estudante de jornalismo conectado na internet o dia inteiro.

É claro que algo de errado acontece com a grande mídia de nosso país. Enquanto órfãos e viúvos endinheirados vão às ruas protestar, sob as lentes das câmeras de última geração dos canais de TV, um movimento composto por pobres e miseráveis, que não tem um teto para se proteger do frio, é noticiado por apenas uma revista de 48 mil exemplares.

O que só serve pra fazer a ratificação cotidiana de que, para a classe econômica dominante brasileira, quem é pobre está situado em algum lugar entre o Homem de Neandertal e o Homo Sapiens



Protesto leva milhares ao local do acidente com avião da TAM

Acidente uma ova

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Jornal no lixo

A partir do momento em que um jornal é impresso, há três opções: ele pode ser lido, ele pode não ser lido e ele pode ser jogado no lixo.

Muita gente pega um jornal gratuito apenas por não precisar pagar nada por ele, outros recebem o jornal por dó. Essas pessoas provavelmnte não irão ler o seu jornal.

Há os que se interessam: geralmente estudantes de jornalismo que querem conferir como foi feito o trabalho dos colegas ou pessoas que têm o hábito da leitura. Essas irão ler o jornal, mesmo que não seja por completo.

E também existem as pessoas não querem ler, nem pegaram o jornal por dó, elas não tiveram opção: foi jogado na casa delas, entregue por algum amigo, etc.

Fiz toda essa explicação para dizer que é normal uma pessoa jogar um jornal no lixo. Elas são cruéis, não querem saber quanto tempo você gastou para fazê-lo ou o valor sentimental adquirido por cada exemplar, elas simplesmente jogam fora, mas é compreensível, já que não participaram de todo o processo.

O problema é que você espera isso de pessoas que não tem o hábito de leitura, não de professores universitários, muito menos do seu professor universitário. Porém, foi isso que aconteceu: depois de ter enfiado o jornal debaixo da porta da sala de um professor, encontro-o para um atendimento sobre um trabalho e vejo o jornal no lixo.

"Jogou o nosso jornal no lixo, professor?"

Ele disse que já tinha lido. Sei. Pedi licença e peguei o jornal da lixeira.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Papo de buteco e rádio português

Não sei se é porque o meu atual semestre na faculdade de jornalismo está um lixo, mas hoje tive uma conversa com amigos de sala, depois do almoço, tomando uma cerveja, que me fez pensar muito mais do que a soma de todas as aulas deste semestre juntas.

Obviamente que neste humilde blog eu não conseguirei (por isso nem vou tentar) explicar todas as explosões de idéias e raciocínios que aconteceram na tarde de hoje. Basicamente nós discutimos como o mundo atual é uma merda e tende a piorar. Também discutimos a relação da nossa profissão com isso.

Do jeito que eu disse parece que foi mais papo de buteco. Pode parecer, mas não é. Infelizmente, para quem não esteve presente, esse post fica com gosto de piada interna.

O Rádio Português
Ao ler o livro O Rádio na Era da Informação, de Eduardo Meditsch, fiquei sabendo que em Portugal, o jornalismo radiofônico é totalmente diferente. Lá, eles não associam rádio a um veículo ágil que precisa necessariamente transmitir informações curtas e dinâmicas.

Há a predominância de reportagens longas produzidas totalmente pelo mesmo jornalista. Além disso, eles ganham mais, sofrem menos pressão e fazem um trabalho mais enriquecedor. Achei isso muito legal!

Fiquei tentado a criar um programa do tipo na Unesp Virtual, mas não sei se vou dar conta.

terça-feira, 3 de julho de 2007

Resumão sobre o que aprendi na greve

A greve acabou. Muitos dizem que não conseguimos vitórias significativas, apenas promessas. Não deixa de ser verdade, ocorre que muitas das negociações foram abertas por causa da greve, como a questão dos decretos do Serra (que recuou com o declaratório) e o comprometimento verbal do reitor de começar as obras da moradia estudantil; e outras ainda estão acontecendo (como a do Cruesp com o Fórum das Seis). Isso sem contar um dos principais ganhos: a organização do movimento.

Fora isso, aprendi muito com a greve individualmente. Conheci pessoas que eu nem sabia que estudavam na minha universidade, troquei idéias com professores muito experientes, conversei bastante, participei de encontros, passeatas, atos, ouvi muito e aprendi, na prática, um pouco mais sobre política (e politicagem).

Claro que o objetivo de uma greve é coletivo, a própria greve não existe se não houver um coletivo. Mas, como o professor Geraldo Bergamo (um cara que conheci na greve também) disse, é inevitável nos sentirmos bem quando entramos com consciência nesse tipo de movimento.

Greve Não É Férias

Um fenômeno que surgiu na ocupação da USP foi a criação de blogs dos movimentos de greve. Um instrumento eficiente (já que boa parte dos universitários possui acesso à internet) e que mostrou a procupação organizacional dos movimentos grevistas.

O principal motivo da minha ausência (o mercyzidane estava às mosacas) se deu exatamente por causa disso. Eu e o Diego Dacax administramos o blog do movimento estudantil ao longo de toda a greve. O Greve Não É Férias chegou a ter um número absurdo de visitas (média de 1000 visitas por dia) para os padrões deste blog ( pico de 15 por dia).

Gostei de participar da manutenção do blog por dois motivos:
-poder ajudar o movimento estudantil fazendo algo que eu gosto;
-aprender a lidar com a responsabilidade de gerir um blog tão acessado.

Para terminar

Saio da greve com a certeza de que a greve funciona, com vontade de fazer mais coisas pelo movimento estudantil e de melhorar a comunicação do movimento com os próprios alunos do campus (aceitamos sugestões e discussões).

Essa greve foi um dos marcos da minha estadia na Universidade.

sábado, 2 de junho de 2007

Greve Não É Férias

O que eu tinha dito no post anterior se concretizou: a Unesp de Bauru entrou em greve.
Ainda bem! Eu ficaria com vergonha se o maior campus da Unesp se mantivesse omisso quando um governante fere frontalmente a autonomia universitária.

Depois da assembléia em que os estudantes decidiram entrar em greve (na segunda-feira), foi formado o movimento Greve Não É Férias, que pretende fazer com que a discussão sobre a greve não morra. Dividimo-nos em comissões (comunicação, ética, finanças e atividades) e começamos a montar a programação da greve estudantil.

Realizamos muitas atividades (grupos de discussão, quarta na 54, quinta no bosque, oficinas, festa junina), fomos para o ato do dia 31 de maio em São Paulo, criamos um blog e nos aliamos a professores e funcionários.

Eu achava que o número de pessoas seria pequeno, mas a primeira assembléia depois da greve contou com cerca de 170 pessoas, um número significativo. Acredito que o movimento está no caminho certo e sua força está crescendo.

Segunda-feira tem uma nova assembléia para definir as próximas atividades do movimento, às 18h.

Entrem no blog Greve Não É Férias!

sábado, 26 de maio de 2007

Reflexões sobre a possiblidade de greve

Eu escrevi possibilidade, mas tenho certeza de que na próxima segunda-feira, durante a assembléia dos professores, será declarado estado de greve no campus da Unesp de Bauru (os docentes de todas as Unesp já estão em greve, só os da nossa que não porque eles não são associados à Adunesp - Associação dos Docentes da Unesp - central).

Eu sou favorável à greve porque os decretos do Serra visam claramente o sucateamento das universidades públicas estaduais. Criação da Secretaria de Ensino Superior, jogar o Pinotti lá dentro, burocratizar os gastos das instituições, privilegiar as pesquisas "práticas". Só esses exemplos já são suficientes para aderir à greve.

O problema é que os professores não estão nessa por causa dos decretos do Serra, eles estão preocupados é com a aposentadoria. Com a criação do Funprev, os servidores estaduais terão um teto de cerca de 3 mil reais mensais de salário quando se aposentarem, não importando o quanto eles contribuíram. Quando mexe no bolso eles entram na luta.

É, mas nem tanto. Na última quarta-feira apenas 3 docentes da Unesp apareceram na praça Rui Barbosa para protestar contra os decretos do Serra.

Outra coisa que eu odeio quando estamos em clima de greve é gente que só pensa no umbigo. "Ai, lá vem vocês querendo fazer greve", "Só falta ter aula em janeiro", "E se eu perder o semestre
?". Sei que acabo sendo intolerante, mas me dá raiva pensar que nego só enxerga o umbigo mesmo quando tem um cara metendo a mão nos nossos direitos.

O pior é quando dizem que greve não vai adiantar em nada e cruzam os braços. Se acha que greve não adianta, então proponham outras medidas. Só não me venham com esse discursinho conservador de dizer que nada vai dar certo para poderem ficar de braços cruzados.

sábado, 12 de maio de 2007

Os 40 anos da banda do Sargento Pimenta e os Corações Solitários


Anos 60, um casal e quatro filhos formam uma família na cidade de Cruzeiro, no Vale do Paraíba, no Estado de São Paulo.

O primogênito está com seus vinte e poucos anos, no auge de sua "hipisse" e de seu fanatismo pelos Beatles. O álbum Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band acaba de ser adquirido pelo rapaz, que se chama Paulo.

Depois de o apreciar pela primeira vez, o jovem não consegue deixar de ouvir a obra prima do Fab Four por um dia. A vitrola, que se localizava no meio da sala, não parava de trabalhar.

Dona Lourdes, a mãe, chegava da escola (era diretora) exausta e gostava de descansar na sala, sem barulho, sem pensar em nada. Mas quando menos esperava, começava a ouvir os acordes e conjuntos vocais do quarteto de Liverpool. Tudo bem, afinal, a música até que é gostosinha.

"I read the news today, oh boy!". John Lennon canta o primeiro verso da última música do disco, A Day in the Life. Dona Lourdes continua indiferente à vitrola e tenta se ater à dificil tarefa de não pensar em nada. De repente, uma orquestra de quarenta músicos começa tocar seus intrumentos de uma forma estranha. Dona Lourdes não gosta.

O som não pára, pelo contrário, vai aumentando de intensidade na medida em que os acordes ficam mais graves, parece não ter fim, seria o som de um tempestade? de uma confusão? Dona Lourdes não suporta mais! Levanta-se da poltrona e se dirige até o móvel em que a vitrola está localizada. A cada passo o som se torna mais confuso e irritante...quando Dona Lourdes se aproxima do aparelho e está prestes a desligá-lo, um despertador toca e Paul McCartney canta "Wake up, fell out of bed".

Em 2007 o antológico álbum dos Beatles Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band completa 40 anos e essa foi a história que faz com que eu me lembre sempre desse disco. Dona Lourdes é minha avó e Paulo é meu tio. Os 33 segundos em que a orquestra parte do Mi menor até chegar à nota mais grave de seus instrumentos era o tempo exato para minha avó se levantar da poltrona, caminhar até a vitrola e estar prestes a desligar o disco. Sempre que ela ia encostar o dedo no aparelho, a música "irritante" acabava.

Sabe aquele tipo de histórias que seus parentes te contam sempre que têm uma oportunidade
? Pois o "conto" acima foi uma delas. Ainda bem, graças a isso eu fui influenciado e conheci um dos melhores albuns de todos os tempos e uma das músicas mais geniais dos Beatles.

quinta-feira, 10 de maio de 2007

A Web Rádio Unesp Virtual



Quando eu entrei na Unesp, a primeira coisa que eu fiz foi entrar na então Web-Rádio Mundo Perdido.

Eu nem sabia nada de rádio, fiquei com muito medo de escolher uma editoria errada na primeira reunião do núcleo de jornalismo e optei por esportes por achar que era o assunto do qual eu mais sabia.

A rádio era uma várzea total, só tinha um programa de jornalismo e alguns boletins que rodavam no meio da programação. O tempo foi passando e eu fui me envolvendo cada vez mais com a rádio. Qualquer entrevista que eu fazia eu dava um jeito de enfiar no Revista Mundo Perdido (o programa de jornalismo).

Acabei ganhando confiança das chefes e virei editor, assim como uma galerinha que é muito boa: Carol Almeida, Andressa Borzilo, Gabriel Ruiz, Silvia Ferreira, Juliane Cintra, Daniel Gomes, William Douglas, entre outros. Com a ajuda desse pessoal a rádio foi se estruturando. Os programas aumentaram, o profissionalismo cresceu, o nome mudou de Mundo Perdido para Unesp Virtual, foi criada uma diretoria, temos um planejamento, parcerias, enfim, a rádio se tornou um projeto realmente de primeira.

E com isso o conteúdo melhorou consideravelmente. Estamos no mesmo nível de muitas rádios boas, com o diferencial que podemos experimentar e criar novos formatos de programas.

Só para vocês terem uma idéia, o Núcleo de Jornalismo, do qual eu faço parte, possui cerca de 13 programas. Tem de tudo: radiojornal, revista, jornal de esportes, de política, programa sobre américa latina, boletim do centro acadêmico, programa sobre meio ambiente, programa sobre moda e cinema, jornal sobre a Unesp, jornal sobre divulgação científica e por aí vai.

Hoje eu entro no site da rádio e tenho orgulho de participar de uma das melhores web-rádios do Brasil.

Cliquem aqui para ouvirem. Lembrando que, por ser um web-rádio, todos os programas estão disponíveis no site, na parte programas da rádio. É só clicar e ouvir na hora que você quiser.

Não se esqueçam do endereço: www.radiovirtual.unesp.br .

sexta-feira, 4 de maio de 2007

O Brasil tem muitos feriados?

Liguei o rádio na Jovem Pan AM. Estavam transmitindo o Rádio ao Vivo, um programa de entrevistas com músicos, grupos teatrais e coisas do tipo. Quando acabou a parte das entrevistas o apresentador começou a fazer a seguinte questão aos ouvintes que ligavam para a emissora: você acha que o Brasil tem muitos feriados?

Só que antes dessa pergunta, passaram um programete chamado Confronto em que uma repórter saía às ruas fazendo a mesma pergunta. Sem excessão, todas as respostas editadas no programa foram positivas. Deu a impressão de que todo mundo acha que o Brasil tem muitos feriados.

O pior era quando justificavam: "o brasileiro não gosta de trabalhar", "é por isso que o PIB do país não cresce" e por aí vai.

Eu não sei se o Brasil tem muitos feriados ou não porque o programa da Jovem Pan não me deu embasamento suficiente para eu chegar a uma conclusão. Temos mais feriados do que a maioria dos países do mundo? Os feriados fazem bem para os trabalhadores? Fazem com que eles voltem mais satisfeitos para o trabalho? O programa não respondeu. Só repetiu um monte de opiniões iguais, vazias e sem profundidade.

Se eles entrevistassem um pesquisador que dissesse que os feriados do Brasil são bons por causa de tais e tais motivos, já seria suficiente para derrubar todas as afirmações vazias.

O pior é que as opiniões sem sentido parecem ganhar um certo peso nos meios de comunicação. A partir disso várias pessoas passam a seguir essas opiniões sem pensar.

A Jovem Pan deveria realmente questionar o público a esse respeito. Se fosse para fazer um programa do jeito que foi feito era melhor o apresentador anunciar o telefone da rádio do seguinte modo: "quem quiser falar que o Brasil tem muitos feriados pode ligar para cá!"

segunda-feira, 30 de abril de 2007

Zooasis, a pior banda de Oasis cover

Sim, agora é oficial. Eu e meu amigo Gabriel, o Leite, temos uma banda de Oasis cover.

Integrantes? Só eu e ele, porque é muito difícil de arranjar baterista e lugar e tempo para ensaiar no meio do semestre. Ou seja, a banda é um Oasis acústico (vamos ver se arranjamos uma percussãozinha) e, mesmo só sabendo tocar 4 músicas do ingleses, já temos marcada a nossa primeira e última exibição: dia 24 de maio (eu acho), no Quinta no Bosque.

Quando eu era adolescente o meu sonho era ter uma banda e ser famoso. Consegui montar o primeiro grupo que foi um fiasco. O segundo teve um certo sucesso e nós tirávamos várias músicas de diversas bandas, mas eu sempre pedia para a galera aprender uma do Oasis. Chegamos a tocar:

-Live Forever
-Supersonic
-Wonderwall
-Champagne Supernova
-Stand By Me
-Don't Go Away
-Go Let It Out
-The Hindu Times

Até que foi bastante, mas eram apenas as músicas mais famosas do Oasis. Eu gostaria de tocar várias que considero ótimas só que ninguém conhece. Mesmo sendo fanático pelo Oasis naquela época eu não pensava em ter uma banda de Oasis cover, eu queria mesmo era ter uma banda própria, com canções próprias.

Agora, marmanjo, monto uma banda cover.

Bom, quando você gosta muito da banda é legal fazer cover, mas só para zuar, mostrar como os caras são idiotas e se acham mais do que tudo, apenas por fazerem boas canções.

Tem uns caras que levam muito a sério. Eu estava procurando uns vídeos do Oasis no youtube e encontrei uma banda que se chama Electric Oasis. Eles tocam de modo idêntico aos ingleses. Imitam os trejeitos, o som dos instrumentos, a posição no palco, as roupas, enfim... o que leva um cara a se dedicar a ser o que uma outra pessoa já é?

Vamos ver se eu descubro com a minha nova banda: Zooasis