Mercy Zidane: Novembro 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Mais vivo


Em fase de fim de faculdade, hoje presenciei mais uma despedida, a segunda da semana. E, com amigos, disse que é uma coisa "louca" esse negócio de despedidas. Disse "louca", mas queria dizer algo no sentido positivo. Pensei em "bonita" ou "linda", mas despedidas são muito tristes para serem bonitas ou lindas.

Acho que a palavra é nostálgica, mesmo sem saber direito o que isso significa. Essa sensação está me fazendo me sentir mais vivo ou algo parecido.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

O fim de um rito: a apresentação do TCC

É, apresentei meu TCC na quarta.

Uma das coisas que estudei para fazer minha monografia (denominada "O Capital Simbólico na Notícia Radiofônica: Análise Teórico-Prática do Programa Raiz Social") foi a ritualização que se dá por meio do rádio.

Historicamente, quem controla o tempo detém o poder. Nos dias atuais, os meios de comunicação, como o rádio, fazem essa ritualização, ao prometerem que, amanhã, na mesma emissora e no mesmo horário, o programa estará lá. Ou seja, implicitamente, faz-se a promessa de que tudo se manterá como está.

A entrega do TCC também é um rito, mas nesse a gente não tem a promessa de que tudo será igual. Muito pelo contrário.

Eu me envolvi muito com a universidade, entrei de cabeça nela e mudei totalmente meu modo de enxergar o mundo. Quando sai da minha banca, bateu uma tristeza... uma sensação de vazio.

Talvez por ter deixado isso explícito em meu rosto, três amigas (Aline, Andressa e Marjorie) me mandaram mensagens escritas em papel ou via internet, parabenizando-me pela minha apresentação ou apenas dizendo algo que me confortou naquele momento: a amizade vai persistir.

Acredito muito nisso. Como disse em meu TCC, minha formação ainda está ocorrendo, mas a estrutura já está bem sedimentada e segue o planejamento de usar a comunicação para a propagação de idéias para uma sociedade mais justa.

Sem essas pessoas (as que me deram abraços fortes depois da banca, as que me disseram palavras doces nesse momento vazio e as que me incentivaram sempre), nada seria possível.
___________________________
Metalinguagem: estou beirando o pieguismo, para não dizer que já entrei nele. Coloquei essa foto véia porque é onde está reunida a grande maioria das pessoas importantes. Exceções feitas à Carol, Russo, Barba e outras pessoas que eu posso ter esquecido.

domingo, 16 de novembro de 2008

Novo visual

Bom, depois de muito tempo sem postar neste blog, faço a retomada não apenas textual, mas também no design da página.

Enquanto fazia o meu TCC, ao longo deste ano, pensei em várias coisas que eu queria fazer, mas que não podia exatamente por ter que fichar livros, pensar em como iria desenvolver essa monografia, etc.

Até conversei com a Marjorie sobre estipular uma lista de coisas que deveríamos fazer na faculdade antes de irmos embora de vez. Mudar o visual do blog era uma delas. Aí vão algumas das coisas em que pensei:

-Tocar com o Grupo Clássico (já realizado);
-Tocar com o Zooasis;
-Tocar com os Mutretas;
-Tocar com os Percervejas;
-Procurar bixos para participarem do Raiz Social, no ano que vem;
-Mandar currículo para lugares em que eu realmente gostaria de trabalhar;
-Procurar editais de projetos culturais;
-Fazer uma reunião com pessoas que queriam fazer um projeto de jornalismo alternativo;
-Falar com alguém da Rádio Unesp FM para ver a possibilidade de transmissão do Raiz Social;
-Sair com os meus amigos o máximo que eu puder (em proceso);
-Ir ao Ferradura pela última vez;
-Retomar o Gordinho Aleatório;
-Ir ao CEEUB;
-Ajudar a montar a chapa do Cacoff;
-Terminar de ler o livro de poesias do Arnaldo Antunes;
-Encaminhar o Grupo de Estudos de Comunicação Comunitária;
-Mudar o visual deste blog (já realizado).
_________________________________
Metalinguagem: tem mais coisas, mas já é o suficiente. Dei uma atualizada depois - lembrei de outras coisas.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

O Império Vota


Na Folha de S. Paulo de 4 anos atrás, época de eleições presidenciais norte-americanas, achava no mínimo interessante o fato de toda notícia sobre o tema vir sempre acompanhada da marca "O Império Vota", um pouco acima do título. Afinal, o uso da alcunha de "império" para se referir aos Estados Unidos estava mais para um costume do Brasil de Fato do que para o jornal mais lido pela classe média brasileira.

Hoje, o Império vota novamente. E, como de praxe, a imprensa do mundo todo já enviou seus esquadrões de repórteres para cobrir o fenômeno. É tanta cobertura que quase passamos a saber mais sobre os Estados Unidos do que sobre o nosso próprio país.

Duas coisas que me chamaram a atenção a despeito dessas eleições que gostaria de pontuar:

  • O primeiro deles, obviamente, é o fator Obama. É um pop star. Com certeza, deve ter feito os níveis de audiência das emissoras de TV que cobrem as eleições crescer substancialmente em relação a eleições anteriores. É um fenômeno midiático no aspecto mais pleno do termo.
  • É incrível, beira a concretização do estereótipo, como ainda pode haver tanto conservadorismo em uma sociedade ocidental como existe nos Estados Unidos. Tirando os exemplos clássicos da moralidade religiosa e do belicismo crônico, o exemplo mais bizarro que vi nessas eleições é aquela parcela de indivíduos que endossa o discurso de que Obama é um "socialista" por pregar redistribuição de renda. E, pior, que essa característica é uma coisa abominável. Jisuis.
*****
Ps1: Esse link aqui, do site do Economist, direciona para um mapa que mostra de que lado os países do mundo estão nas eleições dos EUA. Azul é pra Obama, Vermelho, McCain.

Ps2: Sempre tive vontade de passar um tempo nos EUA pra sentir na pele como pensam, vivem e quais são os valores daquelas pessoas que fazem funcionar o "Império". Agora nessas eleições, acabei por estabelecer um parâmetro para definir as cidades para qual quero ir: primeiro, um tempo na capital do estado que mais votou nos republicanos; depois, outro período na capital do estado que mais votou nos democratas. A idéia é conhecer os extremos opostos e tirar uma média (eita pensamentozinho matemático!). Mais um plano pra entrar na fila.


Ps3: O Brasil também recém saiu de um processo eleitoral. Por diversas vezes, o termo "Festa da Democracia" foi usado, sobretudo na televisão. "'Festa da Democracia' onde, mané?" Trata-se de um processo que, pra você estar no jogo, depende de doações de empresas. Ou seja, se não estiver alinhado com interesses privados, você não consegue fazer meia dúzia de viagens de avião. Sem contar que, segundo uma tese minha, a grande mídia mitifica as eleições da maneira como o faz com o objetivo de convencer o cidadão comum que seu único papel enquanto sujeito político se dá de 2 em 2 anos no mês de Outubro. Outro dia desenvolvo melhor esse meu raciocínio.

Ps4: A foto-montagem acima foi tirada do site Gawker.com, que parece ser um blog de cobertura política. Via coluna do Nelson de Sá na Folha de S. Paulo de hoje (eita leitorzinho de folha descarado).