Mercy Zidane: Fevereiro 2015

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Dilma fez a vaca tossir

Na campanha eleitoral do ano passado, Dilma Roussef, do Partido dos Trabalhadores (PT) prometeu em campanha que não mexeria nos direitos trabalhistas. "Isso (direitos) eu não mudo nem que a vaca tussa". Sua equipe de marketing inclusive usou uma vaquinha como ícone de propaganda depois que a frase foi proferida pela presidenta.

Mas apenas alguns meses após a reeleição, Dilma já fez a vaca tossir. Trecho de artigo do site Palavra Operária explica rapidamente a profundidade dos cortes trabalhistas implementados pelo governo por meio de medidas provisórias:

"Com as medidas provisórias, direitos básicos como auxílio-doença, pensão por morte, abono salarial, seguro-desemprego (o novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, inclusive está dizendo que “seguro-desemprego está fora de moda”) e seguro pescador ficam praticamente excluídos para os trabalhadores mais jovens e mais precários, que ocupam a parcela de empregados que mais cresceu na década petista, o trabalho rotativo. E mais, no caso de acidente de trabalho (que no Brasil estão em torno de 750 mil por ano, apenas os registrados em Comunicado de Acidente de Trabalho [CAT]) ou doença por decorrência do trabalho, entregam a avaliação médica para o algoz. Ou seja, tiram do INSS a avaliação médica que permitiria afastamento segurado e coloca na mão da própria empresa a decisão. A empresa te mutila e depois te fará pagar".

A charge que fiz é para "homenagear" esse absurdo. Veja a íntegra do artigo citado, que mostra como formar um contraponto a esses ataques, aqui.